16 de mar de 2011

Que o próximo corra milhas a mais que o anterior.


Engraçada a vida não acham?

Às vezes pensamos ter encontrado o cara, ou a moça dos sonhos, nos entregamos e esquecemos plenamente que contos de fadas não existem. O tempo passa e o companheiro(a) faz questão que percebamos que é mais um(a). E novamente, tudo não passou de mais uma ilusão e de mais um aprendizado da vida.

Acrescentou-nos? Claro! Mas é passado. Amadureceu-nos? Claro! Mas é só passado. Deu-nos experiência? Claro! Mas agora não é nada mais que passado. Passou. Já é passado e o futuro está por vir. Mas que o novo alguém que esteja por vir faça diferente, seja diferente, haja diferente.

Que ele seja o oposto do que meu antigo "amor" foi um dia. Que ele me faça promessas realizáveis, me encha de planos que possam ser tornar reais num futuro não muito distante. Que ele me dê esperanças verdadeiras de que o amor existe e que com ele eu vou me apaixonar cada dia mais, ao ponto de aprisioná-lo em mim pra sempre, caso contrário terá sido como meu antigo “amor”.

Que ele me faça acreditar não só que me ama, mas que também sou única. Que ele consiga uma conquista diária de puro conhecimento entre nós com muito açúcar, amor, afeto e paixão, e que ele cumpra, senão de nada terá valido, terá sido como meu antigo “amor”. Que ele seja sincero comigo e com ele, em cada milésimo de tempo em que passarmos um ao lado do outro.

Que ele tenha gostos que possam encaixar-se nos meus, objetivos parecidos, que ele seja religioso, prestativo e leal. Senão terá sido como meu antigo “amor”. Que eu possa sentir por ele algo novo, nada igual ou semelhando ao que senti no passado.Que ele me apresente coisas novas, mundos, lugares, costumes e pessoas diferentes.

Que ele cobre menos, e faça mais. Que ele seja mais comportado, e inteligente, e divertido, e compreensivo. E Que ele me faça sentir borboletas no estômago mesmo após anos terem passado. Caso contrário lembrará meu antigo “amor”. E sabe aquelas milhas que o próximo terá que correr?!

Então... ele terá que percorrer-las antes de me ter. Para que ele dê valor ao esforço dele, caso queira mesmo me fazer todos esses mimos. E como não quero perder tempo, como perdi com os anteriores, crio esse obstáculo, e passará só quem realmente quer.

Então corra... Corra!


Flávia Fernanda e Ana Flávia.

1 de mar de 2011

Fernanda Mello

"Me deixa ser egoísta.
Me deixa fazer você entender
que eu gosto de mim e
quero ser preservada.
Me deixa de fora de suas mentiras e
dessa conversa fiada.
Eu sou uma espécie quase em extinção:
eu acredito nas pessoas.
E eu quase acredito em você.
Não precisa gostar de mim se não quiser.
Mas não me faça acreditar que é amor, caso seja apenas derivado.
Não me diga nada. (Ou me diga tudo).
Não me olhe assim, você diz tanta coisa com um olhar. E olhar mente, eu sei!
E eu sei por que aprendi. Também sei mentir das formas mais perversas e doces possíveis. (Sabia?) Mas meu coração está rouco agora. GRAVE! Você percebe?
Escuta só como ele bate. O tumtumtum não é mais o mesmo.
Não quero dizer que o tempo passou, que você passou, que a ilusão acabou,
apesar de tudo ser um pouco verdade. O problema não é esse.
Eu não me contento com pouco. (Não mais).
Eu tenho MUITO dentro de mim e não estou a fim de dar sem receber nada em troca.
Essa coisa bonita de dar sem receber funciona muito bem em rezas,
histórias de santos e demais evoluídos do planeta.
Mas eu não moro em igreja, não sou santa, não evoluí até esse ponto,
e só vou te dar se você me der também."