28 de fev de 2011

Umas doses.


Hoje eu preciso embriaga-me de todas doses que
possam causar-me algum risco.
E amanhã preciso acordar sentindo aquele leve
desconforto misturado com algumas "in"certezas,
mas que passa logo, depois de um café forte.
Quero da dose mais doce à mais amarga.
Quero misturar campari com licor de morango.
Intercalar as bebidas para nunca ficar muito igual.
Quero morrer de risos com as doses doces e fazer caras feias com as amargas.
Quero gostar de algum líquido, para que eu possa
repetir a dose. Mas sem que me deixe dar preferência...

Vou logo arrumando-me, sem deixar nada muito apertado
para que tudo possa caber-me...
Dessa vez, não escolhi o bar, ele quem escolheu-me.
Parece-me válido e acabo cedendo as condições que ele apresenta-me.
Não penso duas vez, entro e sento-me num banco não tão confortável.
Agora... sem mais conversas, está na hora de deliciar-me.
- Graçom, por favor, traga-me a primeira dose de risco,
da mais cara, num copo de cristal. Obrigado!

"Tudo que vale a pena na vida, tem uma grande dose de risco."

Nenhum comentário:

Postar um comentário