4 de nov de 2011

Casas habitadas.


A gente erra, aprende, mas esquece.
Inúmeras vezes insistimos no mesmo erro.
Inúmeras vezes entramos num recinto de tantas bagunças.
E por lá a gente fica. Chegamos até acreditar que poderíamos
movimentas alguns móveis ou jogá-los fora. Mas esquecemos
que a maioria das casas a decoração é embutida. E às vezes com móveis
velhos. Porém os inquilinos apegam-se demais com esses,
que por vezes são cheios de cupins a ponto de desfazerem sua moradia.
E eles tanto quanto nós, insistem no erro e deixam que pequenos
incetos, aparentemente indefesos, destruam seus tetos e seus chãos.
E mesmo assim, no meio de toda essa balbúrdia ficamos,
e insistimos, e sonhamos.
E mais uma vez, como todas as outras vezes, não concluímos as nossas
vontades de transformar e talvez trazer mais alegria à essa casa.
Exatamente por essa mania do ser humano de que temos
que guardar coisas velhas nos estados em que estão.
(Ou recicla ou doe para que possam reciclar.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário