4 de nov de 2011

Não me dou à despedida.

"Nunca parto inteiramente,
Não me dou à despedida
As águas vão simplesmente
Presas à sua nascente
É do seu modo de vida

Fica sempre qualquer coisa

Qualquer coisa por fazer
Às vezes quase lamento
Mas são coisas que eu invento
Com medo de te perder

Deixei um livro marcado

E um vaso de alecrim
Abri o meu cortinado
Fiz a cama de lavado
Para te lembrares de mim

Nunca parto inteiramente

Vivo de duas vontades:
Uma que vai na corrente,
A outra presa à nascente
Fica para ter saudades"

Manuel Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário