23 de out de 2010

Apenas sua lembrança.


Eramos dois, só eu e você...
E tudo que eu desajava era permanecer alí, nos seus braços.
Mas uma tempestade passou e te levou pra longe, bem longe, de mim...
No momento que o último adeus você deu, vi se desintegrar sua imagem
no meio daquela chuva, que quando caia sobre meu corpo queimava,
como se fosse gotas de fogo num mar de mágoas.
O que restou foram panos rasgados, que deveriam ser tecidos,
dentro daquela caixa em que nós custumavamos guardar nossos sonhos...

Hoje reformei praticamente minha vida toda...
Saí da casa em que morava. Rasguei o colção da minha cama.
Troquei de perfume. Mudei hábitos. Restitui sorrisos.
Tudo isso para que ninguém conhecesse o que só você conheceu.
Os próximos conheceram outra mulher, porque aquela só você teve/tem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário